Síndroma do olho eletrónico

É impossível fazer uma reportagem da nossa vida e vivê-la ao mesmo tempo.

Tirei uns dias na última semana do ano para relaxar. Fiquei longe das redes sociais a maior parte do tempo.

 De qualquer forma, tirei estes dias para estar presente na minha vida, livre de qualquer pressão para escrever.

Queria apenas viver o momento e guardar boas recordações na minha memória.

 Esta fotografia é uma das poucas que tirei.

 Adoro esta praia e gostei deste sinal de boas-vindas. Quando o vi ali, parecia estar a dar as boas-vindas ao novo ano. A uma nova perspetiva. Ou a algo novo e cheio de esperança.

 Um dia, estava a visitar o Castelo de Praga, e alguém do grupo estava sempre a parar para tirar fotografias. Esta situação obrigava o guia a interromper constantemente as explicações. A pessoa estava a viajar sozinha e todos nós sentimos que fazer aquela reportagem era importante para ela.

Começámos então um debate sobre esta espécie de obsessão por tirar fotografias.

O guia referiu um texto de Umberto Eco sobre o assunto.

O artigo de Eco fala da “síndroma do olho eletrónico”. Define-a como o desejo de estar presente com um olho mecânico em vez de um cérebro.

O ensaio reflete sobre a compulsão de fotografar e filmar tudo e como isso nos afasta de viver efetivamente o momento.

Eco pensa que as pessoas estão demasiado concentradas em guardar memórias nos seus telemóveis e estão a perder a capacidade de as apreciar e guardar nas suas mentes.

Por vezes, é essencial manter um registo do momento.

Normalmente, é mais importante viver.

Feliz 2024.

P.S. Parece que o ensaio de Umberto Eco “Síndroma do Olho Eletrónico” não foi publicado em nenhum jornal ou livro. No entanto, pode encontrar o ensaio aqui.